Três modalidades de infrações lideram as autuações de motoristas na cidade

Estacionar em local proibido, digirir sem o cinto de segurança e falando ao celular são as infrações mais comuns na cidade

Agentes destacam que a quantidade de infrações diárias aumenta com a presença de veículos de fora

Acomodação ou simplesmente descumprimento da lei? Independentemente do que defina a atuação de grande parte dos motoristas infratores na cidade, Livramento tem registrado cada vez mais acidentes, infrações e, por consequência, a autuação de um significativo número de infratores. Divididos entre santanenses e turistas, três tipos de infrações lideram as aplicações de multas em motoristas, principalmente nas ruas centrais da cidade. São elas: estacionar em local proibido – como transporte de valores, carga e descarga e vaga de deficientes – dirigir falando ao celular e por último, e um dos mais vistos, dirigir sem o cinto de segurança.

Apesar de campanhas, blitz de conscientização e de acidentes em que condutores ou caronas não estavam com cinto de segurança, a inobservância à questão é acentuada nas ruas da cidade, não só ao artigo 167, mas também a uma série de regulamentações. Para falar sobre o assunto, consultamos agentes da Guarda Municipal de Trânsito de Livramento para esclarecer estas e outras questões pontuais, que devem ser observadas pelos condutores de veículos da cidade. Tomada como exemplo a infração por não usar o cinto, ART. 167 do CTB, que parece simples, na verdade é uma infração grave, que acarreta 5 pontos na carteira. Aquelas pessoas que têm apenas a PPD (permissão para dirigir) devem ter atenção redobrada, pois ela dá o “direito” – se podemos classificar assim – ao portador de receber apenas uma infração de natureza leve ou média. Apesar disso, são verificados em média mais de 20 casos por dia deste tipo de infração. 

Sobre a notificação

Muitas pessoas questionam a validade da multa, quando o apontado como infrator não assina a notificação, porém, ela vale sim. O agente de trânsito não tem obrigação de colher a assinatura do infrator, ela só serve para dizer que o motorista está ciente da autuação. Desta forma, fica o Detran desobrigado de enviar uma notificação da autuação, pois o infrator já assinou a notificação. Caso ele não assine, o Detran é obrigado a enviar via correio.

O agente entrevistado destacou que tem a orientação para sempre procurar orientar os motoristas sobre a infração que está sendo cometida, antes de aplicar a infração, mas a maioria dos casos são de pessoas reincidentes.

 

Por Leo Silveira
leo.aplateia@hotmail.com

Notícias Relacionadas

Os comentários são moderados. Para serem aceitos o cadastro do usuário deve estar completo. Não serão publicados textos ofensivos. A empresa jornalística não se responsabiliza pelas manifestações dos internautas.

Deixe uma resposta

Você deve estar Logando para postar um comentário.