GRÊMIO SEGUE VIVO

Ficou claro tanto em Florianópolis como em Buenos Aires, que os jogadores ainda não esqueceram os dois “passeios” que levaram nos clássicos decisivos do Gauchão. A única diferença é que contra o Atlético-PR, o time esteve apático e sem nenhuma criatividade, perdendo para um time de novatos e que dispensou mais de uma dúzia de jogadores após não chegar sequer à final do Estadual. Já no jogo contra o San Lorenzo, os jogadores atuaram com garra e aplicação.

POR FALAR NISSO…

Tecnicamente o Grêmio continua devendo. Esta queda de rendimento começou contra o Brasil-PE na semifinal do Gauchão, seguiu nos Gre-Nais e teve sequência até mesmo na vitória contra os reservas do Nacional-URU na Copa Libertadores. Garantir classificação para as quartas-de-finais é vital para a sobrevivência do treinador Enderson Moreira.

BRASILEIROS EM SITUAÇÃO DELICADA

Já havíamos perdido cinquenta por cento de nossos representantes na fase de grupos. Corremos o sério risco de ficar sem ninguém ao final das oitavas-de-final. Seria um vexame inédito. Grêmio e Atlético-MG decidem tudo dentro de casa, mas na prática, sem poder sofrer gols. O Cruzeiro-MG empatou no Mineirão e precisa vencer o Cerro Portenho lá no Paraguai. Ficou difícil.

INTER PRECISA JOGAR MAIS

Abel Braga criticou, com toda a razão seu time após a vitória de 1 x 0 sobre o Vitória-BA. O resultado acabou sendo muito melhor que a produção da equipe. Abel sabe a importância dos três pontos, mas que o futebol apresentado foi insuficiente para quem entrou no Brasileirão como um dos favoritos ao título. O grupo do Inter tem qualidade para apresentar muito mais. A conferir no domingo contra um Botafogo que não paga salário há quase três meses.

DANÇA DOS TREINADORES

Na cabeça da cartolagem, a troca de treinadores é a solução lógica para os maus resultados. Esquecem que são eles que contratam e, por consequência, os responsáveis indiretos pelo fracasso do time. Em 2013, foram dezesseis trocas em dezenove rodadas. Paulo Autuori é o primeiro a cair depois da derrota (primeira do ano) de quarta-feira na Libertadores. Quantos cairão em 2014? Cartola, com certeza, não cai nenhum.

LUCIANO DO VALLE

Como fiquei afastado da coluna durante o feriadão, rendo agora minhas homenagens a um dos mais brilhantes narradores esportivos do país. Ícone e precursor de toda uma geração, além de ter sido um visionário dentro do esporte. Levou alegria e emoção a todos nós com suas narrações inesquecíveis e seu grito de gol, inconfundível. Uma pessoa doce e que deixou-nos muito cedo. Fica um vazio enorme no esporte brasileiro.

Notícias Relacionadas

Os comentários são moderados. Para serem aceitos o cadastro do usuário deve estar completo. Não serão publicados textos ofensivos. A empresa jornalística não se responsabiliza pelas manifestações dos internautas.

Deixe uma resposta

Você deve estar Logando para postar um comentário.