Departamento escolar de tradição leva o nome de Paixão Côrtes

O Grupo de Danças Tradicionalistas da Escola Estadual de Ensino Médio Dr. Silvio Ribeiro esteve presente na inauguração do Monumento a Paixão Cortes, ocasião em que os bailarinos tiveram a honra de conhecer o tradicionalista santanense que dá nome ao Departamento Escolar de Tradição do educandário, e ao grupo.

Idealizado e fundado pela atual gestão da diretora, professora Marisa Correa Vieira, e suas vices, professoras Cibele Shervensquy, Luciana Hardem e Joseane Hettwer, o departamento de Tradição Escolar Paixão Cortes é um projeto que conta, além do Grupo de Danças Tradicionalistas, com aulas de história do Rio Grande do Sul, oficina de declamação e sequências didáticas de incentivo à leitura de autores santanenses e gaúchos, proporcionando ações que promovem o cultivo das tradições Rio-grandenses, de forma intensificada no mês de setembro e com atuação durante todo o ano letivo.

O contato com Paixão Cortes, para autorização do uso do nome por parte da escola, se deu no início deste ano, ocasião na qual ele tomou conhecimento do projeto e permitiu que fosse batizado com este, que é um dos mais significativos nomes do tradicionalismo no estado do Rio Grande do Sul.

Segundo a professora Vivian Corrêa, coordenadora do Grupo de Danças, as sementes que Paixão Cortes plantou precisam ser cultivadas, sendo as escolas fundamentais para que isso ocorra, no sentido de que o futuro do nosso estado passa, ano após ano, pelos bancos escolares.

O trecho da música O laçador está vivo, de Antônio Augusto Fagundes e Neto Fagundes, declamado a cada apresentação do grupo de danças, acrescenta ela, reafirma os valores a partir dos quais são pensadas e desenvolvidas as atividades: “O laçador está vivo/Na palma de sua mão/O pago nasce de novo/Rebenta o sol num clarão/Se um piá seguir seu rastro/No rumo da tradição/São sementes de Paixão”.

 

Notícias Relacionadas

Os comentários são moderados. Para serem aceitos o cadastro do usuário deve estar completo. Não serão publicados textos ofensivos. A empresa jornalística não se responsabiliza pelas manifestações dos internautas.

Deixe uma resposta

Você deve estar Logando para postar um comentário.